Brasileiros pelo mundo: Singapura

Legalmondo e Internacionalize


O portal Internacionalize, em parceria com o Legalmondo, lança a série Brasileiros pelo mundo, que abordará os principais aspectos jurídicos de cada país, analisados sob os pontos de vista: imigratório, tributário, sucessório e empresarial. Esta edição, aborda Singapura.



Lei de Imigração


  1. Os principais vistos de trabalho em Singapura


Em Singapura, há uma variedade dos chamados "passes de trabalho", mas o visto de trabalho mais comum é o dado pelo "Passe de Emprego" ("EP – Employment Pass"), que, nas palavras do Ministério da Mão-de-obra, "permite que profissionais estrangeiros, gerentes e executivos trabalhem em Singapura. Os candidatos precisam ganhar pelo menos S$ 4.500 por mês e ter qualificações aceitáveis. Os empregadores também devem demonstrar que consideraram razoavelmente todos os candidatos a emprego". A última frase é de particular importância, especialmente no cenário da Covid-19, já que o governo de Singapura está se esforçando para combater o desemprego local.


Os trabalhadores de menor renda, bem como trabalhadores qualificados e semi-qualificados devem considerar o Passe-S (S-Pass)".


Os que ganham mais renda podem considerar o "Passe de Emprego Personalizado" (PEP), que permite maior flexibilidade, enquanto os empreendedores que desejam iniciar e operar um novo negócio em Singapura devem optar pelo "EntrePass".


O EP é válido pela primeira vez por até dois anos e é renovado por até três anos cada vez.


O EP permite, como todos os outros passes de trabalho, ficar em Singapura ou entrar em Singapura várias vezes durante sua validade e concede o direito de trabalhar em Singapura. Sem um passe de trabalho, não se pode trabalhar em Singapura: mesmo os estagiários precisam de um Passe de Trainee válido e mesmo estudantes e graduados de 18 a 25 anos que querem trabalhar e tirar férias em Singapura por 6 meses precisam do chamado "Passe de Trabalho e Férias". Sem esses passes, uma pessoa só pode entrar em Singapura como turista, ou como membro da família (por exemplo, cônjuge de um titular de EP, sob certas condições), ou por razões médicas e outras excepcionais.


Uma vez que o PE e a maioria dos outros passes de trabalho são dados aos empregados, um titular do PE recebe os direitos vinculados ao seu contrato de trabalho e legislação trabalhista. A rescisão do contrato de trabalho implica a rescisão do passe de trabalho, caso não encontre outro emprego em Singapura dentro de um prazo específico.


Vários proprietários de empresas que não se qualificam para outros programas, portanto, empregam-se para poder trabalhar e viver em Singapura. Naturalmente, a inscrição de seu próprio emprego e do EP (ou outro passe de trabalho) são examinadas pelo Ministério da Mão de Obra, portanto, abrir uma empresa de Singapura para empregar-se não é exatamente um procedimento simples.


Após a obtenção do PE, é possível fazer a solicitação para tornar-se residente permanente ("PR"), o que evidentemente concede mais direitos.



2. Vistos para investimento em Singapura


O princípio geral em Singapura é que qualquer estrangeiro que deseje se tornar residente no Estado da cidade deve contribuir para a economia e para a sociedade. Em outras palavras, um UHNWI (Indivíduo de valor útil ultra-elevado) não pode simplesmente "comprar" um "visto golden" e se tornar um residente.


Evidentemente, Singapura atrai um número muito grande de indivíduos de valor útil elevado e ultra-elevado, de modo que um programa especial fornece um “fila-rápida” para a obtenção do visto de residente permanente,. Esse programa é o Programa de Investimento Global. Nas palavras do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Singapura “O Programa de Investidor Global (GIP) concede o status de Residente Permanente de Singapura a investidores globais qualificados que pretendem conduzir seus negócios e crescimento de investimento a partir de Singapura. Você precisará ter um histórico de negócios substancial e um histórico empreendedor de sucesso para qualificar".


Ao cumprir os requisitos definidos pelo GIP, o investidor assume o status de residente permanente de Singapura, investindo pelo menos S$ 2,5 em um novo negócio em determinados setores. Este investimento, no entanto, está limitado a:

• um proprietário tradicional de uma empresa que ganhou pelo menos S$ 200 milhões por pelo menos três anos;

• um proprietário de nova geração que detém pelo menos 30% das ações e um papel executivo em um negócio de S$ 500 milhões;

• o fundador de um negócio de S$ 500 milhões investido por fundos renomados;

• uma pessoa com um histórico mínimo de cinco anos como investidor ou empreendedor e pelo menos S$ 200 milhões em ativos bancários que estabelecem uma Singapura para todo os S$ 200 milhões (dos quais pelo menos S$ 50 milhões devem ser mantidos em Singapura).


Da mesma forma, por meio de um acordo menos caro que envolve, no entanto, a criação de um family office "Single Family Office (" SFO ")" e despesas operacionais anuais mínimas de S$ 200.000,00, o investidor ao cumprir vários requisitos, pode obter o EP acima mencionado. Embora não seja expressamente definido por lei, os SFOs gozam de uma série de isenções regulatórias em oposição a entidades que gerenciam ativos de terceiros, e podem se beneficiar de uma isenção especial de tributação, mesmo que o núcleo ou único negócio seja, de fato, fundos e gestão de ativos. Embora possam ser estruturados de diferentes maneiras, os mais comuns são o uso de um conjunto de Fundos/Empresas locais de Gestão de Fundos (veja adição abaixo) - a partir do qual o proprietário benéfico da pessoa física também poderia obter uma permissão de residência ("EP") - ou um Trust administrado localmente. Em ambos os casos, a configuração é relativamente rápida e simples, compatível e eficiente em termos fiscais - dito que devido a uma série de custos fixos mínimos são soluções destinadas a Ativos sob Gestão (ou AUM - Assets under management) de mínimo 2 a 10 milhões de SGD, com os AUMs mais estatisticamente relevantes até agora 100 milhões de SGD e acima.


3. Tipos de vistos especiais em Singapura


Não há vistos especiais em Singapura, por favor, consulte a observação acima sobre o Programa Global de Investidores e o Single Family Office.


4. Como obter cidadania de Singapura


Entre outros requisitos, um imigrante deve primeiro ser um residente permanente por pelo menos dois anos e ter 21 anos ou mais. É importante notar que Singapura não permite a dupla cidadania, portanto, ao obter a cidadania de Singapura, o requerente deve abrir mão de todos os demais passaportes.


Lei Tributária


  1. Imposto de Renda de Pessoas Físicas em Singapura


Singapura apenas tributa a renda de origem local. Existem dez alíquotas, de 0% a 22%, de imposto de renda pessoal, com base no lucro tributável.


2. Tributação de Riqueza em Singapura


No geral, não há impostos sobre riqueza ou herança em Singapura. No entanto, existe o imposto sobre a propriedade, que é progressivo e existem duas alíquotas diferentes para propriedades residenciais ocupadas pelo proprietário (até 16%) e não ocupadas pelo proprietário (até 20%). Todas as outras propriedades são tributadas em 10% de seu valor anual.


Os ativos deixados para trás por uma pessoa falecida podem continuar a gerar renda após sua morte. Os rendimentos da propriedade passam a fazer parte dos rendimentos do herdeiro e, portanto, são tributados sob o regime de imposto sobre o rendimento das pessoas individuais.


Regras semelhantes se aplicam ao trust, embora em certos casos o trustee seja (também) tributado.


3. Como Singapura vê os Paraísos Fiscais

Singapura assinou a Convenção Multilateral para Implementar Medidas Relacionadas ao Tratado Tributário para Prevenção a Erosão da Base e Transferência de Lucros e, embora não seja membro da OCDE, segue muitas das diretrizes da Organização.


4. Tratados para evitar dupla tributação em Singapura


Não.

Geralmente não, embora (veja acima), Singapura seja ativa contra o BEPS - Prevenção a Erosão da Base e Transferência de Lucros.

Singapura concluiu mais de 90 DTAs (Avoidance of Double Taxation – Evasão de Dupla Tributação), Tratados Limitados e Arranjos EOI (Exchange Of Information) que envolvem renda e outros impostos.



Lei de Sucessão


1. Sucessões em Singapura


Sim, envolve toda a propriedade. No entanto, os bens imóveis no exterior permanecem sujeitos às leis da jurisdição em que estão localizados.


2. Trusts e fundações privadas sob a Lei em Singapura


Sim, reconhece ambos. As fundações também são chamadas de caritativos e cabe destacar a existência de Empresa Limitada por Garantia (“CLG”), utilizada para o desenvolvimento de atividades sem fins lucrativos e bastante interessante do ponto de vista tributário e de transparência.


3. Outros aspectos relevantes


Se o falecido não deixou um testamento válido antes de falecer, a Lei de Sucessão do Intestado determinará como o patrimônio será distribuído aos sobreviventes, que incluem, nesta hierarquia: cônjuge, filhos, pais, avós, tios e tias. Se não houver sobrevivente, o Governo herda.


A Lei da Sucessão ab Intestado (sem testamento) não se aplica aos muçulmanos, que, em vez disso, seguem a Shariah, de acordo com a Lei de Administração da Lei Muçulmana.


Direito Empresarial


  1. Começando e administrando um negócio em Singapura


Extremamente fácil. Consulte o Guia do Legalmondo “Perguntas e respostas sobre como configurar e gerenciar sua empresa no exterior”

Sociedades privadas de responsabilidade limitada.


2. Proprietários de entidades de Singapura


Sim.

Não.

Pelo menos um diretor deve ser cidadão de Singapura ou Residente Permanente.


3. Abrindo uma conta bancária em Singapura

Relativamente fácil em ambos os casos, desde que haja documentação de suporte adequada.



4. Fundos e Empresas de Gestão de Fundos em Singapura

Há sempre a necessidade de configurar duas empresas : uma será o próprio fundo , a outra a sociedade gestora de fundos ;

O fundo pode seronshore (incorporado em Singapura) ou pode seroffshore(incorporado em qualquer lugar, normalmente nas Ilhas Cayman, Bahamas, BVI etc.). Aempresa de gestão de fundosdeve ser umaentidade incorporada em Singapura. Em ambos os casos, o próprio fundodesfrutará de isenção total de tributação em investimentos especificados de rendimentos (há exceções, por exemplo, se for um fundo REIT); a empresa de gestão de fundos, em vez disso, desfrutará de um regime muito competitivo (para uma jurisdição totalmente onshore e na lista de permissões) taxa de imposto concessionário em 10% ;

Se o fundo for investido por menos de 30 investidores credenciados (dos quais menos de15 são outros fundos), com menos de 250.000.000 SGD$ AUM, então a gestão do fundo a empresa pode se inscrever no regime "Registered FMC", que é mais rápido, relativamente mais barato e simplificado. Em todos os outros casos, terá que solicitar a mais onerosa "Autorização para Capital Market Services" e se tornar um "FMC Licenciado";

- Há também uma nova estrutura (lançada emjaneiro de 2020), chamada de "Variable Capital Company" criada propositalmente para fundos de investimento, que:

· Possuem estrutura de capital variável que proporciona flexibilidade na emissão e resgate de suas ações. Ela também pode pagar dividendos com o capital, o que dá aos gestores de fundos flexibilidade para cumprir as obrigações de pagamento de dividendos.